Prática Metafísica para tomar uma decisão

Volta e meia uma pessoa se encontra em um momento de tomada de decisão.

É mais fácil focar os pensamentos de forma positiva no resultado quando temos a certeza do que desejamos e pensamos. E quando não temos?

E quando nossos desejos são ambivalentes ou quando desejamos duas coisas mutuamente excludentes? Como optar?

Meditar e abrir a mente até alcançar a paz e a certeza do que se quer e, ao mesmo tempo, buscar informações que corroborem uma das alternativas, costumam ser as melhores recomendações. Mas muitas vezes a ansiedade e a pressão do tempo dificulta tanto obter a paz quanto a busca de mais fatos.

Há uma terceira prática muito usada: buscar sincronicidades e presságios. Aguarda-se uma mensagem do Universo através do acaso ou folheando um livro ou revista e buscando interpretar o resultado ou evento.

Apesar de ter muitos fãs, esta alternativa não agrada muito a quem tem uma mente mais lógica, pois deixa a um evento exterior a iniciativa que, em tese, deveria partir do interior.

Intuitivamente percebemos que nós e que devemos nos esforçar para ultrapassar os desafios da vida, não apenas ficar passivamente esperando que tudo nos seja dado de mão beijada.

Deus e a evolução nos dotou de uma cabeça pensante capaz de criatividade e análise, e usar demais esta terceira via parece um desrespeito a esse milagre da vida.

Além do mais, muitas vezes não temos a certeza da melhor interpretação do evento e corremos o risco de agir contrariamente aos nossos próprios interesses, obedecendo cegamente o fruto de um acaso.

Refletindo sobre isso, nos últimos meses desenvolvi uma prática que mescla a busca por um estado mental harmonizado, que também contemple a ação pessoal e que não se arvore a ordenar exatamente o que devemos fazer, mantendo o livre-arbítrio.

Esta prática também tem um sorteio – mas é o sorteio de um “estado de espírito” e não de uma ação.

Consiste em colocar nos seis lados de um dado – eu na verdade prefiro um aplicativo no celular de lançar a sorte, mas pode ser em um dado ou moedas ou papeizinhos – seis diferentes atitudes ou “estados mentais” e usá-lo para considerar a questão ou o desafio.

Quando nos defrontamos com a situação, saber pelo menos qual é o espirito com o qual devemos encará-la nos permite a tranquilidade necessária. E como todos os seis estados são positivos, estaremos treinando um nível de consciência superior, na maioria dos casos.

Com a prática, alternaremos mais fácil entre os seis estados, e prescindiremos do uso da sorte. O presságio exterior será substituido pela intuição interior, que é uma prática de mais alta qualidade.

Vejam na figura abaixo os seis estados. Experimentem a técnica e me dêem algum feedback.

Grande Abraço!

Antonio Azevedo
2015-04-03 22.52.28

Deixe um comentário

Arquivado em Criatividade, Psicomagia, Tomada de Decisão

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s