Estado Mínimo

Sobre a questão dos professores públicos e da polêmica dos médicos e suas reivindicações: tenho um ponto de vista um pouco radical a respeito. Sei que muitos não concordarão mas me senti obrigado a externar o que penso.

Em princípio sou a favor que a educação é o principal fator de desenvolvimento de um país e que o estado deve reservar um grande percentual dos impostos para fomentar isso. Também considero a saúde (e as condições sanitárias, parte essencial de obter aquela), como prioridade de nossa nação.

No entanto, há funções características do Estado e outras que não o são. 

O Estado deve legislar, fiscalizar, defender (externamente) e proteger (internamente). Assim, politicos, juizes, fiscais, exércitos e policiais devem ser sim funcionários públicos.

O que é importante ê que estas funções têm a assim chamada “fé pública” e podem perder o cargo no caso de quebra de confiança.  Sei, não estou discutindo aqui corrupção e incompetência etc, estou apresentando uma visão sistêmica.

No entanto, considero que todos os outros tipos de função deveriam ser celetistas, regidas por regras iguais à iniciativa privada.

Professores, engenheiros,  operários,  médicos,  enfermeiros, pesquisadores, músicos de orquestra, bombeiros, carteiros, guarda-vidas, bancários, assistentes sociais, administradores, oficiais de cartórios,  diretores, assessores, ministros, diplomatas (sim, até diplomatas) deveriam ser cidadãos “normais”, sem absolutamente nenhuma diferença, trabalhando direta ou indiretamente para o governo.

O governo não deveria ter hospitais, museus ou escolas sob seu controle. Nem fábricas, usinas, hidrelétricas, postos de petróleo, centros de pesquisa, correios, mineradoras e nem qualquer organização operacional.

Sua única – e portanto melhor – função ê fiscalizar e estabelecer normas reguladoras, justas e adequadas para todos os interessados.

Inclusive, com exceção das forças armadas, nenhum cargo público deveria ser permanente. Tal como os politicos, deveriam durar apenas 4 ou 8 anos, e exigir provas ou votações para retomada de posse.

Desta maneira – e considero a única maneira – os impostos seriam reduzidos para um patamar tolerável, as diferenças entre gestores e empregados receberiam uma mediação mais justa e haveria mais agilidade de atuação com menos burocracia.

As empresas poderiam ser completamente privadas e, se for o caso, receberem reembolso do Estado por suas atividades. Mas não precisam ser de propriedade do Estado, receber ingerência deste em sua administração e nem empregar representantes oficiais. Só auditorias em seus resultados.

Reconheço que chegar a isso não é possivel de forma rápida e direta, sem uma catástrofe social. Vai levar gerações.  Mas o mundo vai se encaminhar para algo similar, podem ter certeza.

Deixe um comentário

Arquivado em Coaching

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s