Reflexões: impostos iguais – até para religiões

Como os textos no Facebook ficam difíceis de serem reencontrados pelos leitores, estou desistindo de escrever coisas duráveis lá e passando a postar minhas reflexões no blog e deixando apenas o link no Face e Twitter.

Muita gente na minha timeline do Facebook discute religião – contra ou a favor.

Eu sou a favor da religiosidade, no sentido de uma conexão filosófica e intuitiva com um princípio fundamental da vida, mas tenho muitas restrições quanto à influência política, social e econômica que a maioria das religiões formais têm no mundo.

Antigamente, em tempos onde a maioria era iletrada, as religiões ajudavam a disseminar conceitos sanitários, nutricionais e de respeito aos outros. No entanto, hoje em dia, esta função está cada vez mais pervertida por interesses sectários, econômicos e políticos.

No fundo simpatizo com as religiões que não disseminam preconceitos, mas assisto com desprazer a expansão, aqui no Brasil, de seitas extremistas e não-inclusivas, manipuladoras, preconceituosas e aproveitadoras da ingenuidade popular.

Os benefícios fiscais que as religiões conseguiram obter, de um apoio discreto à uma atividade sem fins lucrativos, virou um descalabro, uma maneira de corporações comerciais se esconderem, travestindo seus produtos sob o manto da fé.

Penso também, hoje em dia, que muita religião é um desperdício de tempo. O tempo que os religiosos investem em praticar, difundir e cooptar (ops, eles dizem “evangelizar”) para suas próprias formas especificas de religião poderia, ao que me parece, ser mais bem empregado em disseminar noções de ciência (como entender o mundo), política (como gerenciar o mundo) e psicologia (como entender e se comunicar com o outro). Como disse antes, isso já foi um objetivo da religião mas hoje é principalmente função da Educação.

Digo isso ao acompanhar discussões sobre se é necessário apoiar e facilitar o acesso dos individuos às religiões, visto que muitas delas estimulam o trabalho voluntário, o apoio aos menos favorecidos e a colaboração social.

No passado foi essencial. No entanto considero que no mundo moderno a Educação é que principalmente apoia os que não tem bens, pois lhes permitem desenvolver um valor precioso e que não pode ser roubado. E o tempo que dedicam a estudar rituais de milênios passados seria mais bem empregado atualizando-se com a tecnologia.

Mas não estou aqui advogando o fim das religiões – só do desnecessário tratamento diferenciado que têm perante outros tipos de organizações sociais.

Penso eu que uma das bandeiras a serem desfraldadas nesta nova conscientização do povo para desentravar o Brasil das peias da corrupção e manipulação por interesses excusos seria a isonomia do tratamento a todo tipo de organização – seja grande ou pequena, tenha o objetivo que for, seja de venda comercial, filosófica ou religiosa, tenha fins beneficentes ou interesse comercial.

Assim, religiões e grupos os mais diversos deveriam pagar impostos e ter o mesmo tipo de responsabilização civil, econômica e criminal. E seus dirigentes deveriam ter responsabilidade total por prejuízos oriundos de suas empresas, não limitados apenas ao patrimônio que investiram nelas.

Evidentemente, se todos pagam igual, sem excessivas regras protecionistas, a pressão por impostos decentes, não escorchantes, favoreceria a todos e é provavel que muitas organizações enfraqueçam, morram ou se fundam – e nisso incluo sindicatos, partidos politicos, pseudo-seitas e ongs que são, na verdade, instrumentos de lobby de classes especificas, buscando brechas e vantagens legais acima dos outros cidadãos.

Este darwinismo econômico deveria ser praticado em todos os níveis, não só no livre mercado. Isso, junto com a fiscalização contra corrupção, é a principal bandeira, no meu entender, que pode resgatar o Brasil que queremos daquele que estávamos nos tornando.

Antonio Azevedo

Deixe um comentário

Arquivado em Coaching

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s