Gestão, PNL, Produtividade, Visualização

Transformando seu Sonho em um Projeto

Neste texto Antonio Azevedo avalia que um Projeto ou Objetivo de Vida,para ser criativo e pró-ativo e, portanto, eficaz, precisa preencher vários requisitos.

Um check-list (lista de verificação) pode ser uma ferramenta útil para auxiliar no desenvolvimento de um plano que tenha êxito.O tema “Sucesso” é sujeito a várias interpretações. Alguns o encaram como sendo principalmente um fruto da sorte. Outros enfatizam a rede de contatos, o círculo de relações que uma pessoa pode desenvolver. Outros, ainda, colocam a ênfase no esforço diário e até na utilização de técnicas metafísicas, tais como as que são ensinadas sob o nome de “Pensamento Positivo”. Reconheçamos que tudo na vida começa com um Sonho. O Sonho é uma aspiração pessoal, um desejo de fazer algo mais no mundo. O Sonho é o desejo de mundo melhor, e aquelas pessoas que não sonham vivem de maneira automática, quase como robôs. O Sonho nos faz humanos. No entanto, criar um Sonho é só o primeiro passo. O Sonho está apenas em um nível lógico muito alto. Ele precisa ser concretizado em um Projeto, e, depois, este Projeto ser materializado em um Plano. E este Plano, por fim, será consubstanciado em uma Realidade.

Aqui cabe uma explicação. Níveis Lógicos são um termo muito usado em Programação Neurolingüística (PNL), e que representa um corte vertical na estrutura de motivação e comportamento de um indivíduo. Eles se compõem de seis níveis, com os nomes: Ambiente – Comportamento – Capacidade – Crenças e Valores – Identidade – Macro-Sistemas (sistemas em que a Identidade está inserida). O nível “Ambiente” costuma ser representado no nível mais baixo, e, ao analisarmos as motivações e a forma de atuação, costumamos “subir” ou “descer” a escadinha dos níveis lógicos, buscando interpretar como a interação entre os níveis ocorre naquele dado indivíduo.

Transformar um Sonho em um Projeto, um Projeto em um Plano e um Plano em uma Realidade. Esta é a verdadeira forma de trabalhar com o Pensamento Positivo.

Antes que me perguntem, devo dizer – sim, eu uso o pensamento positivo. No entanto ele na maior parte das vezes não é o que se pensa – que basta apenas pensar concentradamente no que se quer e as coisas acontecem de forma mágica.

O Pensamento Positivo real é utilizar a Atitude adequada, e a Criatividade, que é uma característica de todo ser humano, alinhando-os com a Persistência no foco do objetivo desejado.

O que mais acontece é que todos esquecem a profunda conexão entre o Pensamento Positivo e a Ação Positiva. Ação Positiva é aquela orientada para objetivos. O Pensamento Positivo em si mesmo nada consegue. Não adianta nada sentar em uma cadeira e ficar pensando, dia após dia, em conseguir alguma coisa. A única maneira do Pensamento Positivo produzir resultados é porque ele é o primeiro fator que facilita a Ação Positiva. No entanto, esta última precisa do Pensamento Positivo para manter o seu nível de atuação – isto é, a motivação, o entusiasmo, a persistência, a criatividade, a atitude…

O Pensamento Positivo é um imã para o que se quer, dizem os especialistas. Só que isso está certo apenas em parte. O Pensamento Positivo é um imã de Atitudes Positivas = Confiança em si mesmo e Criatividade na solução de problemas.

E estas Atitudes Positivas são um imã para Oportunidades Positivas = Percepção de Situações e Informações e também de Pessoas facilitadoras de Resultados.

E, sim, estas Oportunidades Positivas é que são um imã para os Resultados Positivos Desejados.

Já explicamos o que é o Sonho. Para transformá-lo em um Projeto, precisamos fazer algumas perguntas, que dêem a ele uma consistência real. É importante que o Objetivo Desejado seja detalhadamente analisado. Para isso, é útil que façamos as seguintes perguntas:

O nosso Objetivo é:

* AFIRMATIVO / ASSERTIVO
Estou especificando o que quero ao invés do que não quero? Isto é, ao descrever o meu objetivo eu o faço em termos afirmativos, dizendo o que realmente quero fazer, ao invés do que quero deixar de fazer?

Muitas vezes comentamos””Puxa, não quero mais fazer isso…”, ou “preciso deixar de fazer aquilo…”. Em termos de direcionamento mental, esta construção gramatical é frágil, mobilizando pouco a nossa vontade de mudar.

O melhor é que construamos nossas afirmações em termos de frases fortes, diretas, objetivas e afirmativas, tais como “quero fazer aquela outra coisa…” e “estou começando a agir ou a fazer…”.

Sempre exemplificamos com algo muito comum, e ao mesmo tempo um dos mais difíceis de criar um exemplo afirmativo: o fumo. Fumar, teóricamente falando, como é um vício, não tem um contrário. A frase “Quero / vou parar de fumar” não é uma descrição afirmativa de um ato, pois não mobiliza a nossa atitude para se focalizar em algo específico e afirmativo. O melhor seria que pudéssemos descrever de forma positiva. Eu sugiro as seguintes formas que, mesmo não sendo tão concisas, são melhores: “Estou vivendo mais e melhorando minha saúde a cada dia, escolhendo tudo que respiro e ingiro”.

* CONTROLÁVEL / PRÓ-ATIVO
Depende do que eu sou, penso, ajo e faço, ao invés do que me acontece? Isto é, estou focalizando a atenção em uma ação que é iniciada por mim, mantida por mim, ao invés de apenas algo que tenho que aguardar que outras pessoas realizem para mim? Esta questãoé muito importante, pois é comum que em um objetivo complexo existam componentes da ação que dependam de outras pessoas. No entanto, estruturar nossos objetivos em algo que dependa dos outros só nos deixa estagnados. Podemos, sim, saber que outras pessoas vão colaborar, mas nossa descrição do Sonho – à medida que ele se transforma em Projeto, e de Projeto em Plano – deve se transformar em uma sucessão de passos pró-ativos, passos que nós mesmos possamos realizar.

Como exemplo, pense em um vendedor que deseja fechar mais negócios. Se a verbalização de seu Objetivo é “quero que os clientes fechem mais negócios comigo”, ele poderá estar se candidatando à desilusão. Seria melhor que ele expressasse algo como “estou ligando e visitando mais meus clientes, e expressando mais os meus argumentos de fechamento de vendas”. Isso sim seria uma maneira pró-ativa de descrever suas atividades.

* CONTEXTUALIZADO / MENSURÁVEL
Aonde, quando, quanto, como, exatamente? Isto é, eu sei descrever fatos e dados específicos que especifiquem o que quero alcançar? Normalmente, neste momento, nós colocamos uma data de realização final: “Até o dia tal do mês tal do ano tal, eu quero ter o meu objetivo alcançado”.

Isso já é uma iniciativa louvável, mas será suficiente? É importante descrever maiores pormenores – o Projeto é, na verdade, uma Carta de Intenções, uma carta para nós mesmos, e por isso é importante que seja visto como um contrato pessoal. Em um contrato somos objetivos, minuciosos e específicos, levando em conta tudo o que pode dar certo e errado, não?

Não é apenas uma Promessa – algo tão fácil de quebrar – mas um Compromisso. Um Compromisso estipula detalhes verificáveis. Estes detalhes são chamados de Critérios de Referência dentro da PNL. São coisas que perceberemos acontecendo, e que provarão para nós, sem sombra de dúvida, que estamos alcançando o que nos propomos em nosso compromisso.

Retomemos ao primeiro exemplo. Não é suficiente dizer “estou escolhendo melhor o que respiro”. Isto ainda é só um Sonho com atitude. As evidências sensoriais que buscamos é: melhor resultado respiratório em um exame específico (vale a pena fazer um check-up de capacidade respiratória anterior e um exame periódico), manutenção de uma tabela de controle de alimentos escolhidos, com uma marcação pontuando os dias melhores e piores, análise de quais ambientes, contextos e situações são mais perigosas para se cair em tentação… Isto é criar um Projeto.

* ECOLÓGICO / CORRETO
(para fora, relação com os outros sistemas)
Todos ao meu redor aceitam que eu obtenha este resultado? Isto é, à medida que as outras pessoas ao meu redor ficarem cientes de minha busca por este resultado, como se comportarão? Irão apoiar, duvidar, rejeitar, ridicularizar, resistir, ou sabotar o compromisso?

Vamos supor que alguém coloque como seu compromisso “fazer ginástica todas as manhãs”. Só que o seu cônjuge tem o hábito de ir dormir tarde, e quer a sua companhia. Por mais saudável que seja o objetivo, e por mais que entenda como isso é positivo, com certeza haverá momentos de conflito. Reconhecer isso, e estabelecer uma forma de enfrentar este tipo de conflito deve constar do Projeto. Aquilo de que estamos conscientes mais fácilmente poderemos superar.

* CONGRUENTE/ HARMONIOSO
(para dentro, relação com o sistema interno)
Perco algo (deixo de ganhar algo) ao alcançar isso? Isto é, existem alguns Ganhos Secundários de que não estou consciente, e que podem obstar o atingimento deste objetivo?

Estamos acostumados a nos perceber como seres únicos, homogêneos. E isso não é sempre verdade. Provavelmente só raramente é verdade… Na maior parte das vezes, há divergências de opiniões dentro de nós mesmos. A Psicologia nos fala em desenvolvermos “resistência a frustrações” e que é importante aprendermos a adiar a satisfação imediata quando está em jogo uma vantagem maior no longo prazo.

Se não aprendermos a fazer isso, tal qual a Cigarra de La Fontaine, nos tornamos perdulários, esbanjando todo o nosso tempo em prazeres imediatistas, ao invés de investirmos no futuro. Se aprendermos a fazer isso muito bem, é provável que nos tornemos sovinas tal como o Velho Scrooge de Dickens, sempre adiando a chance do prazer imediato em prol de uma vantagem maior no futuro… Isso mostra que nem os contos de fada podem nos salvar sempre com a ilustração moral apropriada.

A questão é que efetivamente possuimos as duas opiniões ou vontades em nosso interior – possuimos até mais do que duas, talvez centenas de pontos de vista, alguns com maior poder de barganha, outros menos. O que precisamos fazer é aprender a negociar internamente, com nossas partes internas, fazendo-as chegarem em um consenso – pelo menos naquela questão envolvida no Projeto.

Fazer isso requer alguma meditação e dedicação. Algumas pessoas tem maior facilidade para visitar o próprio âmago, e “conversar” com seus vários aspectos. Outras pessoas – talvez que se acostumaram demais com a crença de que são um só Eu – sentem alguma dificuldade com esta brincadeira de “pseudo-esquizofrenia” e temem que sua própria identidade se desmanche em fragmentos independentes… No entanto, ao invés de nos prejudicar, este tipo de exploração interna só nos traz vantagens – reconhecendo que possuimos vários pontos de vista em nós mesmos, ficamos mais conscientes dos conflitos internos e evitamos que nos prejudiquem.

Ao analisar estes cinco pontos anteriores, podemos utilizar a “descida de níveis lógicos” para estruturar o nosso Projeto, fazendo perguntas em cada nível e refletindo sobre as respostas que nos ocorrem.

NÍVEIS MENTAIS
Questões a investigar:

SISTEMA MAIOR / ESSÊNCIA – Como obter este objetivo se justifica perante ao seu propósito como pessoa e a sua relação com as outras pessoas e ao mundo em que vive? Como isso afeta sua relação com todos os ambientes em que você está inserido – família, sociedade, meio-ambiente, visão espiritual de si e do universo?
IDENTIDADE – Como alcançar este objetivo se alinha com sua missão de vida e visão do mundo em geral? Está alinhado com seus princípios? (princípios são regras mais amplas de bem-viver que você acredita que todos deveriam partilhar para estarem sintonizados entre si). Conseguir este objetivo vai acrescentar significado real à sua vida? E não conseguir, afeta a sua identidade?

CRENÇAS e VALORES – Cite suas principais crenças na área de atuação do objetivo (crenças são a forma como descreve e acredita que o mundo é). Como descreve a situação / o mundo? Acha possível para alguém alcançar este objetivo? E acha possível que VOCÊ, específicamente, o alcance? Cite seus principais valores (aquilo que busca realizar no mundo). Quais os valores que você reforçará em você ao alcançar este objetivo?

CAPACIDADE – O que precisa? Que recursos / habilidades tem / não tem que podem lhe ajudar e como consegui-los? Quem você conhece que já faz isso e como esta pessoa pensa? Liste as principais estratégias que outras pessoas fizeram para alcançar este objetivo.

COMPORTAMENTO – Como vai saber que conseguiu? Como vai saber se está conseguindo? Como vai saber se estiver se afastando do objetivo? Que ações corretivas pode usar? O que verá /ouvirá /sentirá que o alertará das mudanças?

AMBIENTE – Onde vai ocorrer? Em que contexto? Quando? Como acontece? Como saberá que está mudando? Que pontos específicos poderá registrar, para saber que está conseguindo isso?

Podemos descrever o nosso Objetivo – sempre levando em consideração os cinco pontos iniciais – e avaliarmos em cada nível, fazendo a interação e refletindo sobre nosso objetivo. Redigir isto, cuidadosamente, nos auxilia a termos uma boa descrição de Objetivo.

Como já vimos, o Sonho é apenas uma Promessa. Ele se torna um Projeto quando tem Critérios de Referência que lhe auxiliam a consolidar a Promessa em um Compromisso.

Ao respondermos a essas perguntas, criamos um Projeto e um Objetivo que faz sentido. Este Objetivo ainda não é completamente substancial, pois o Projeto precisa se transformar em um Plano. Para fazer isto transformamos o Compromisso em uma sucessão de Ações. As perguntas que foram feitas já ajudam em muito a transformação do Projeto em Plano e já permitem que pensemos em muitas ações. No entanto, como o assunto é extenso, falaremos mais sobre isto em outro artigo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s